Rir é o melhor remédio...


Posted by Hello

Discussão matrimonial entre Francisco Louçã e a sua mulher

- Querido, achas que sou bonita?
- Eu não diria bonita, pois trata-se de um conceito adoptado pelas classes dominantes para
classificar animais humanos dentro de padrões de beleza culturalmente preestabelecidos.
- Isso que dizer que sou feia?
- Cosmeticamente diferente é o termo mais adequado.
- Mas, tu ainda me amas?
- O amor é um sentimento inventado pela burguesia com intuito de
subjugar os indivíduos a um único modo de pensar a sociedade, tirando-lhes a razão e o
senso crítico.
- E depois?
- Depois, nutro por ti um sentimento de co-participação em interesses de ordem habitacional,
económica e sexual.
- O quê? Quer dizer que tu só me queres como mulher-a-dias e
prostituta?
- Não se diz mulher-a-dias e sim higienizadora ambiental. E tratar
parceiras sexuais alugadas como prostitutas não é politicamente
correcto.
- Tu deves estar louco.
- Emocionalmente fora do padrão.
- Bem me avisaram que eras um chato.
- Chato não, pessoa interessante de maneira diferente.
- Como fui cega...
- Desprovida de capacidade visual é mais correcto.
- Idiota!
- Pessoa com ideia fixa.
- Para mim chega! Vou procurar um amante que me queira.
- Não precisas de recorrer a este tipo de relacionamento com padrão não convencional, nós
ainda podemos partilhar de uma coexistência saudável como duas pessoas com referências
diferenciadas da cultura dominante.
- Prefiro viver com um lavador de carros a continuar contigo!
- A tua preferência em manter uma co-habitação de carácter afectivo com um especialista em
aparência de veículos, não te dá o direito de comparar opções de meio de sobrevivência
alternativo com o meu comportamento que se diferencia dos dogmas do status-quo.
- Ah, por que é que não podes ser uma pessoa normal?
- A normalidade é uma convenção imposta.

(recebido por email)

Vicente Jorge Silva afinal não inventou nada...


Khadafi, o amigo madeirense Posted by Hello

27 de Fevereiro de 1978.
A Presidência, a Assembleia e o Governo da República repudiam oficialmente o pedido do dirigente líbio Kadhafi para a independência da ilha da Madeira, considerada pela Organização de Unidade Africana como pertencendo a África.

Quando a verdade supera o ridículo e o hilariante.
Qual terá sido a posição de AJ Jardim?
Alguém sabe??

Rumo


Africa, Helen Lurye Posted by Hello

É tempo, companheiro!
Caminhemos ...
Longe, a Terra chama por nós,
e ninguém resiste à voz
Da Terra ...

Nela,
O mesmo sol ardente nos queimou
a mesma lua triste nos acariciou,
e se tu és negro e eu sou branco,
a mesma Terra nos gerou!

Vamos, companheiro ...
É tempo!

Que o meu coração
se abra à mágoa das tuas mágoas
e ao prazer dos teus prazeres
Irmão
Que as minhas mãos brancas se estendam
para estreitar com amor
as tuas longas mãos negras ...
E o meu suor
se junte
... suor
se junte ao teu suor,
quando rasgarmos os trilhos
de um mundo melhor!

Vamos!
que outro oceano nos inflama.. .
Ouves? É a Terra que nos chama ...
É tempo, companheiro!
Caminhemos ...

Alda Lara

Há 120 anos


Berlim, 26 de fevereiro de 1885 Posted by Hello

As potências coloniais partilham entre si Africa e assinam a acta final da Conferência de Berlim.
A maior parte dos conflitos provém, entre outros, deste acto de cegueira.

Canção da fruta amarga


Imagem daqui Posted by Hello


Às seis da tarde
Dominga foi esperar
comboio do Bungo
mas Beto não chegou

Esperou na soleira do frio
sob a lâmina azulada da noite
acordada té demanhã
mas Beto não chegou

Até que Zefa
que sempre vendera fruta amarga
trouxe ela mesma a notícia:
Beto caíra esmagado
no porão do navio holandês


João Maria Vilanova

Agradecimento

Á Teresa Delagoa e ao espantoso Chuinga pela amável referência a esta kitanda.

Be


Imagem daqui Posted by Hello



Lost
On a painted sky
Where the clouds are hung
For the poet’s eye
You may find him
If you may find him

There
On a distant shore
By the wings of dreams
Through an open door
You may know him
If you may

Be
As a page that aches for words
Which speaks on a theme that’s timeless
While the sun God will make for your day
Sing
As a song in search of a voice that is silent
And the one God will make for your way

And we dance
To a whispered voice
Overheard by the sould
Undertook by the heart
And you may know it
If you may know it

While the sand
Would become the stone
Which begat the spark
Turned to living bone
Holy, holySanctus, sanctus

Be
As a page that aches for word
Which speaks on a theme that is timeless
While the sun God will make for your day
Sing
As a song in search of a voice that is silent
And the one God will make for your day



Neil Diamond
Jonathan Livinston Seagull (1973)

Utopia


José Afonso Posted by Hello

Cidade
Sem muros nem ameias
Gente igual por dentro
Gente igual por fora
Onde a folha da palma
afaga a cantaria
Cidade do homem
Não do lobo, mas irmão
Capital da alegria

Braço que dormes
nos braços do rio
Toma o fruto da terra
É teu a ti o deves
lança o teu desafio

Homem que olhas nos olhos
que não negas
o sorriso, a palavra forte e justa
Homem para quem
o nada disto custa
Será que existe
lá para os lados do oriente
Este rio, este rumo, esta gaivota
Que outro fumo deverei seguir
na minha rota?


Zeca Afonso
In: "Como se fora seu filho", 1983

18 anos após a sua morte, a homenagem.

136 anos depois da Abolição da Escravatura em Portugal


Imagem daqui Posted by Hello


As palavras de António Jacinto e a voz de Rui Mingas, num dia que deve ser sempre recordado porque a escravatura não acabou, modernizou-se e adquiriu formas mais sofisticadas.


MONANGABÉ

Naquela roça grande não tem chuva
é o suor do meu rosto que rega as plantações;

Naquela roça grande tem café maduro
e aquele vermelho-cereja
são gotas do meu sangue feitas seiva.

O café vai ser torrado
pisado, torturado,
vai ficar negro, negro da cor do contratado.

Negro da cor do contratado!

Perguntem as aves que cantam,
aos regatos de alegre serpentear
e ao vento forte do sertão:

Quem se levanta cedo? quem vai a tonga?
Quem traz pela estrada longa
a tipóia ou o cacho de dendém?
Quem capina e em paga recebe desdém
fuba podre, peixe podre,
panos ruins, cinquenta angolares
"porrada se refilares"?

Quem?

Quem faz o milho crescer
e os laranjais florescer
- Quem?
Quem dá dinheiro para o patrão comprar
maquinas, carros, senhoras
e cabeças de pretos para os motores?

Quem faz o branco prosperar,
ter barriga grande - ter dinheiro?
- Quem?

E as aves que cantam,
os regatos de alegre serpentear
e o vento forte do sertão
responderão:

- "Monangambééé..."

Ah! Deixem-me ao menos subir ás palmeiras
Deixem-me beber maruvo, maruvo
e esquecer diluído nas minhas bebedeiras

- "Monangambéé...'"


António Jacinto
(Poemas, 1961)



Rui Mingas
Monangambé

Fado Tropical


.. Posted by Hello


Oh, musa do meu fado
Oh, minha mãe gentil
Te deixo consternado
No primeiro abril
Mas não sê tão ingrata
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

"Sabe, no fundo eu sou um sentimental
Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dose de lirismo
Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar,
trucidar
Meu coração fecha aos olhos e sinceramente chora..."

Com avencas na caatinga
Alecrins no canavial
Licores na moringa
Um vinho tropical
E a linda mulata
Com rendas do Alentejo
De quem numa bravata
Arrebato um beijo
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

"Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto
De tal maneira que, depois de feito
Desencontrado, eu mesmo me contesto
Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intencão e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito
Me assombra a súbita impressão de incesto
Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadura à proa
Mas o meu peito se desabotoa
E se a sentença se anuncia bruta
Mais que depressa a mão cega executa
Pois que senão o coração perdoa"

Guitarras e sanfonas
Jasmins, coqueiros, fontes
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre Trás-os-Montes
E numa pororoca
Deságua no Tejo
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal



Chico Buarque/Ruy Guerra


Gaveta de Ilusões


.. Posted by Hello


Escravos, servos, criados
de um orgânico trabalho,
pedaços em que atalho
numa história sem dados,
sem lados estreitos
que avançam num mar
de milhares de leitos.
Somos um simples reparo
num aparo que atrapalho,
sempre que penso
no tempo suspenso
numa plataforma de vários
contratempos disformes,
vários compartimentos áridos
que se escondem
enquanto não vens e dormes.
Somos escravos do medo,
não imaginamos sequer,
qual será o caminho certo
para a verdadeira democracia
convergir em céu aberto,
sem romper os dias
que caiem entre gotículas
nos nossos inaptos dedos
cheios de feridas ridículas
que nos atropelam bem cedo,
bem na aurora da vida,
exposta numa gaveta
de pobres divisões,
que se abre e fecha
enquanto lá pões
a fantasia de um poeta
tresloucado por um seta
de imensas ilusões.


Daniel Camacho

Liberdade


«Noite com nevoeiro intenso», daqui Posted by Hello


Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não fazer !
Ler é maçada,
Estudar é nada.
Sol doira
Sem literatura
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como o tempo não tem pressa...
Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.

Quanto é melhor, quanto há bruma,
Esperar por D.Sebastião,
Quer venha ou não !

Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.

Mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa

Curiosidade


Cacusso Posted by Hello

Hieroglificamente escrito, aqui

Quando Eu Partir


Navio, Salvador Dali Posted by Hello


Quando eu partir, quando eu partir de novo
A alma e o corpo unidos,
Num último e derradeiro esforço de criação;
Quando eu partir...
Como se um outro ser nascesse
De uma crisália prestes a morrer sobre um muro estéril,
E sem que o milagre se abrisse
As janelas da vida. . .
Então pertencer-me-ei.
Na minha solidão, as minhas lágrimas
Hão de ter o gosto dos horizontes sonhados na adolescência,
E eu serei o senhor da minha própria liberdade.
Nada ficará no lugar que eu ocupei.
O último adeus virá daquelas mãos abertas
Que hão de abençoar um mundo renegado
No silêncio de uma noite em que um navio
Me levará para sempre.
Mas ali
Hei de habitar no coração de certos que me amaram;
Ali hei de ser eu como eles próprios me sonharam;
Irremediavelmente...
Para sempre.


Ruy Cinatti

Xicuembo


.. Posted by Hello


eu bebeu suruma
dos teus ólho Ana Maria.
eu bebeu suruma
e ficou mesmo maluco

agora eu quer dormir quer comer
mas não pode mais dormir
mas não pode mais comer

suruma dos teus ólho Ana Maria
matou sossego no meu coração
oh matou sossego no meu coração

eu bebeu suruma oh suruma suruma
dos teus ólho Ana Maria
com meu todo vontade
com meu todo coração

e agora Ana Maria minhamor
eu não pode mais viver
eu não pode mais saber
que meu Ana Maria minhamor
é mulher de todo gente
é mulher de todo gente
todo gente todo gente

menos meu minhamor


Rui Nogar

Batuque ao Longe


Dance with african drums, Justeen Brown Posted by Hello


Do fundo da noite
a mesma toada batendo.
(É noite de medo?)

A mesma toada por sobre os telhados,
trazendo mensagens que tombam desfeitas.

Coladas aos vidros
há vozes de greda).

A mesma toada roçando na porta,
batendo.

Por sobre as ramadas, calcando o capim,
em volta da serra, caindo do espaço,
em ecos de outrora por todos os lados.


Gloria de Sant'anna

Abri minha janela ao vento norte


.. Posted by Hello


Abri minha janela ao vento norte
A ver se o frio me acordava
De um sonho em que eu próprio duvidava.
- No céu brilhavam estrelas mais que nunca.
Em vão, desde então, eu procurei
Lembrar o seu olhar, a sua imagem
Tão bela, tão perfeita, mais miragem.
- No céu brilhavam estrelas mais que nunca.


Ruy Cinatti

Rosa


African Tribeswoman, Lanarte Posted by Hello



Rosa.
Chamam-te Rosa, minha preta formosa,
E na tua negrura
Teus dentes se mostram sorrindo.
Teu corpo baloiça, caminhas dançando,
Minha preta formosa, lasciva e ridente
Vais cheia de vida, vais cheia de esperança
Em teu corpo correndo a seiva da vida
Tuas carnes gritando
E teus lábios sorrindo...
Mas temo a tua sorte na vida que vives,
Na vida que temos..
Amanhã terás filhos, minha preta formosa
E varizes nas pernas e dores no corpo;
Minha preta formosa já não serás Rosa,
Serás uma negra sem vida e sofrente,
Serás uma negra
E eu temo a sua sorte.
Minha preta formosa não temo a tua sorte,
Que a vida que vives não tarda a findar...
Minha preta formosa, amanhã terás filhos
Mas também amanhã...
... amanhã terás vida!


Amílcar Cabral

Mãe negra


.. Posted by Hello


Pela estrada desce a noite
Mãe-Negra, desce com ela...

Nem buganvílias vermelhas,
nem vestidinhos de folhos,
nem brincadeiras de guisos,
nas suas mãos apertadas.
Só duas lágrimas grossas,
em duas faces cansadas.

Mãe-Negra tem voz de vento,
voz de silêncio batendo
nas folhas do cajueiro...

Tem voz de noite, descendo,
de mansinho, pela estrada...

Que é feito desses meninos
que gostava de embalar?...

Que é feito desses meninos
que ela ajudou a criar?...
Quem ouve agora as histórias
que costumava contar?...

Mãe-Negra não sabe nada...

Mas ai de quem sabe tudo,
como eu sei tudo
Mãe-Negra!...

Os teus meninos cresceram,
e esqueceram as histórias
que costumavas contar...

Muitos partiram p'ra longe,
quem sabe se hão-de voltar!...

Só tu ficaste esperando,
mãos cruzadas no regaço,
bem quieta bem calada.

É a tua a voz deste vento,
desta saudade descendo,
de mansinho pela estrada..


Alda Lara
Lisboa, 1951

Um nome


.. Posted by Hello


Plantei um nome entre as sementes raras
Que germinam na seiva do meu canto
E tu nasceste, como nascem as rosas,
Já sabendo quem são e a quem destinam

A ventura de amá-las e colhê-las.
Aspirei os odores que anunciam
O destino de amores que amanhecem
Na alegria das pétalas que se abrem.

Falei teu nome quase num murmúrio
E a brisa o trouxe, muito suavemente,
Como um segredo apenas revelado,

De volta ao sonhador que o semeara
Na esperança de um dia receber
Tudo o que não me dás, mas eu mereço.


Luiz Bello

O amar do mar


.. Posted by Hello


Boca do mar
beijo de sal
lábios da praia
pele de areia

língua de rio
decote de dunas
seios de ilhas
abraço do sol

correntes de desejo
cheiro de algas
ondas de prazer
espuma que rebenta

gemidos das gaivotas
gozo das nuvens
céu que se funde
no azul do mar


Carlos Seabra

Rir é o melhor remédio...


Santa Luzia Posted by Hello



O filho do chefe

O pai diz ao filho ultra reguila:
- Joãozinho, o meu chefe vem hoje jantar a nossa casa acompanhado do filho. Mas, o filho não tem orelhas. Pelo amor de Deus, porta-te bem...não me sacaneies desta vez, com as tuas bocas estúpidas, porque eu preciso de ser promovido!
- Tudo bem, pai! Não se preocupe! Desta vez vou portar-me bem! O pai vai ver que, se depender de mim, será promovido!
Durante o jantar, o Joãozinho diz para o outro puto:
- Que Santa Luzia abençoe os teus lindos olhos!
O pai do miúdo, emocionado, pergunta:
-Não estou habituado a que o meu filho seja tão bem tratado pelos outros miúdos! Mas porquê o desejo de que Santa Luzia proteja os lindos olhos do meu filho?
E o Joãozinho responde:
-Porque se ele tiver que usar óculos 'tá lixado!

A minha lista para a maioria absoluta

Primeiro Ministro - Gato Fedorento

Ministro de Estado e da Comunicação Social - Chuinga

Ministro da Defesa – BCaç 3869

Ministro da Administração Interna – Para lá de Bagdade

Ministro das Finanças – Endividado

Ministro do Comércio e Turismo – Consumering

Ministro da Economia – A Destreza das Dúvidas

Ministro da Saúde – 605 forte

Ministro da Educação e Cultura – Xis-temas

Ministro da Ciência e do Ensino Superior – Físicos de Lisboa

Ministro dos Negócios Estrangeiros – Ma-Schamba

Ministro da Juventude e Desporto – FuteBlog Total

Ministros das Obras Públicas – Fechado para obras

Ministro da Justiça – A natureza do mal

Ministro da Agricultura – Dias com árvores

Ministro do Ambiente – Nimbypolis

Ministro do Trabalho e Solidariedade – Abrigo de Pastora

---------

Candidato Presidencial – Jumento

---------

Candidato á Câmara Municipal de Lisboa – Baixa pombalina

---------

Presidente da Comissão Nacional de Eleições – Votem nas putas


Aceitam-se apostas!!

Mulher Negra


Black woman and moon, Judee Plourde
Posted by Hello


Mulher nua, mulher negra
Vestida de tua cor que é vida, de tua forma que é beleza!
Cresci à tua sombra; a doçura de tuas mãos acariciou os meus olhos.
E eis que, no auge do verão, em pleno Sul, eu te descubro, Terra prometida, do cimo de alto desfiladeiro calcinado,
E tua beleza me atinge em pleno coração, como o golpe certeiro
de uma águia.
Fêmea nua, fêmea escura.
Fruto sazonado de carne vigorosa, êxtase escuro de vinho negro,
boca que faz lírica a minha boca
savana de horizontes puros, savana que freme com as carícias ardentes do vento Leste.
Tam-tam escultural, tenso tambor que murmura sob os dedos
do vencedor
Tua voz grave de contralto é o canto espiritual da Amada.
Fêmea nua, fêmea negra,
Lençol de óleo que nenhum sopro enruga, óleo calmo nos flancos do atleta,
nos flancos dos príncipes do Mali. Gazela de adornos celestes, as pérolas são estrelas sobre a noite da tua pele.
Delícia do espírito, as cintilações de ouro sobre tua pele que ondula
à sombra de tua cabeleira. Dissipa-se minha angústia, ante o sol dos teus olhos. Mulher nua, fêmea negra,
Eu te canto a beleza passageira para fixá-la eternamente,
antes que o zelo do destino te reduza a cinzas para
alimentar as raízes da vida.


Léopold Sédar Senghor
Tradução de Guilherme de Souza Castro

Jubiabá


.. Posted by Hello



Quando li Jubiabá
me cri Antônio Balduíno.
Meu Primo, que nunca o leu
ficou Zeca Camarão.

Eh Zeca!

Vamos os dois numa chunga
Vamos farrar toda a noite
Vamos levar duas moças
para a praia da Rotunda!
Zeca me ensina o caminho:
Sou António Balduíno.

E fomos farrar por aí,
Camarão na minha frente,
Nem verdiano se mete:
Na frente Zé Camarão,
Balduíno vai no trás.

Que moça levou meu primo!
Vai remexendo no samba
que nem a negra Rosenda;
Eu praqui olhando só!

Que moça que ele levou!
Cabrita que vira os olhos.
Meu Primo, rei do musseque:
Eu praqui olhando só!

Meu primo tá segredando:
Nossa Senhora da Ilha
ou que outra feiticeira?
A moça o acompanhando.

Zé Camarão a levou:
E eu para aqui a secar.
Eu eu para aqui a secar.


Mário António

High upon sacred mountain


.. Posted by Hello


High upon sacred mountain
I hear the cry of the sacred
wolf, coming to teach us the
wisdom of the ancient ones.

Teaching us to help the children
of our mother earth and giving us
understanding of Wanka Tanka
and life.

I see the deer in the forest so near
filling our hearts with love and abolishing
all our fears.

I feel the winds upon my face
bringing the change from asacred place.

I see the stars in the sky
who light the way so one
day we'll fly.


Running Elk Woman
Shawnee & Adopted Lakota

Eu te amo


Allégorie de l'amour, Bernard Frackowiak Posted by Hello



Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armários embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica como que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir

Tom Jobim - Chico Buarque