PORTUGAL

















Deseja-se que este cartaz continue válido no fim da tarde de hoje.
Vamos esperar que da baliza de Robinson venha esta música.
Daremos notícia do feito em telemóvel desta marca.








Jorge Perestrelo e Fernando Correia na TSF (2004)

A rosa imaginária...














É preciso que fique escrito
antes que a tua baba peçonhenta
nos corrompa a palavra
de ti, só se ouvirá no fim da noite
o ranger de dentes
que teu ódio acalenta
inútil e partido!

Sabes Velho Histérico
o que é Ter 29 anos, e sol
e vida?!

Acordar todas as manhãs
com a rosa imaginária
que não dou ao meu amor??

Sabes Velho Histérico
o que é Ter 29 anos, e sol
e vida?
nessa catacumba
de esqueletos onde moras?!

Sabes Velho Histérico
onde está o ventre de mundo
que seria um dia, o meu?!
Aonde está a criança
que não nasceu
nesse ventre de mundo
que seria, um dia, o meu??

Berra Velho Histérico
ainda
a tua ordem
enquanto não chega o vento!

Berra Velho Histérico
na rádio e no jornal
ainda
a tua ordem
enquanto montado no vento
não chega o fim da noite!

... e a rosa imaginária
que vou dar ao meu amor...



António Cardoso
(1933-2006)

Os rios da tribo




















Roça de Água Izé, foto de Brígida Rocha Brito em África de Todos os Sonhos



Que rios reverberam em nosso leito?
Quantas tribos injectadas em teu peito?
Nhá Maria de onde é?
Nhô Ambrósio nasceu em Água Izé?
E Katona, Aiúpa, Makolé?
Silva, Danquá, Cassandra, Camblé...
Padiçê, Mé Pó, Filingwé...
Quantos nomes fundam transmutam minha fronte?




Conceição Lima
in O Útero da Casa

Há palavras que nos beijam

























Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.



Alexandre O'Neill

3 Momentos



















Paradise, por Merril Robinson






1.º


ONTEM: Se não existisse a poesia
serias tu musa-poesia
de todos os tempos de todos
os poetas mendigos e irmãos do AMOR.


2.º


HOJE: Voltei do além com marcas
frescas da pureza. O teu sorriso
me acenou. Agora, não sei se o mais
puro é a fonte de pureza que te dá origem
ou o estado de pureza que do além trago.


3.º

AMANHÃ: Quando se inaugurar a cidade da poesia
teu nome escrito com beijos de alecrim
estará com bandeira ao vento saudando
os casais felizes à entrada da cidade.




António Domingos Gonçalves

Os antepassados usam o espelho


























Os antepassados usam o espelho
Todas as noites

Eh! Olha a aldeia dos nossos antepassados
A verdadeira aldeia sombreada de palmeiras
Que nos obrigaram a abandonar
Eh! Os antepassados
Eh! Os nossos antepassados
Mais as aldeias que nos obrigaram a abandonar
As aldeias sombreadas de palmeiras
Eh! O conjunto tão bonito das nossas aldeias
Eh! A aldeia tão bonita dos nossos antepassados
Que nos obrigaram a abandonar

Os antepassados usam o espelho todas as noites



Ana Paula Ribeiro Tavares
In Ex-Votos

Saudades de Luanda

Image Hosted by ImageShack.us







É CAJU, É CAJUÊ! … COMPRA SÓ, SENHOLA.
TEM MANGA E SAPE-SAPE, TEM CEBOLA,
QUITABA, TCHIFUFUTILA, TEM BANANA . . .


Era assim que apregoava a Barona Adriana,
aquela gorda e atrevida bessangana
que todas as manhãs, no lugar costumeiro,
ia montar, mesmo no passeio, a quitanda
entre as arcadas do Edifício da Fazenda
que se levantava num prédio da Mutamba,
o Largo mais concorrido e de maior animação
da Cidade de S. Paulo de Luanda, da Assunção.


Cedo, bem cedo, mesmo muito cedinho,
na mais fanada carreira das Ingobotas
lá vinha ela, reboluda, toda sorridente
- UAZAKELÊ – cumprimentando toda a gente.


E chegava carregada com a sua jimbamba:
uma velha grade de Cuca, pesada de fruta tanta,
cesta de quitutes, que à cabeça traz para vender,
garrafa quitoto e panela de canjica pra comer.
Trazia tanta coisa … como tinha conseguido?
E por cima de tudo vinha um pano colorido.


Com uma mão segurava a grade na cabeça.
Livre, a outra gesticulava, fazia salamaleque
E muita gente parava e a esperavam até polícia
Que logo que via dizia: - D. Adriana, outra vez?
Agente não quer, mas, um dia, leva-te no xadrez.
E a velha magana fazia que não ouvia e seguia.


Seguia direitinha pró seu lugar. A coitada suava
mas, chegando à arcada, mal a quitanda pousava,


abria a boca no mundo, lançando o seu pregão:


É CAJU, É CAJUÊ! … COMPRA SÓ, SENHOLA.
TEM MANGA E SAPE-SAPE, TEM CEBOLA,
OLHA QUITABA, TCHIFUFUTILA, MAMÃO …




João Mangericão

Solidariedade

Mojtaba Saminejad
Blogger emprisonné pour "insulte au Guide suprême"


Mojtaba Saminejad avait été interpellé une première fois, début novembre 2004, pour avoir dénoncé en ligne l’arrestation de trois de ses confrères webloggers. Pendant sa détention, l’adresse de son blog avait été détournée vers la publication d’un groupe de hackers lié au mouvement extrémiste islamiste iranien Hezblollah (http://irongroup.blogspot.com/). A sa sortie de prison, Mojtaba Saminejad avait relancé son blog sur une nouvelle adresse (http://8mdr8.blogspot.com), ce qui a provoqué sa réincarcération.

Breve interregno




























A semana que agora se inicia a família será, na família, dedicada ao coração.

3ª. feira será verificada em mim a necessidade, ou não, de efectuar bypass...
4ª. feira será a vez de o meu pai se sujeitar exactamente a essa intervenção.

Por esse motivo irei afastar-me uns dias do vosso convívio.
Voltarei, assim o espero, na 5ª. feira para exultar (faz bem ao coração!!) com a passagem de Portugal e Angola aos 8ºs. final do Mundial e com boas notícias cardio-vasculares na família!

Boa semana para todos!


Adenda

Regressei, com angioplastia feita e, por agora, sem necessidade de bypass!
O velhote não foi operado - uma arreliadora complicação de vários problemas em simultâneo impediram, por agora, a intervenção.
Estará, assim o esperamos, tudo controlado em breve de modo a que esta fase seja ultrapassada!

O Golo




















A esfera desce
do espaço
veloz
ele a apara
no peito
e a pára
no ar
depois
com o joelho
a dispõe a meia altura
onde
iluminada
a esfera
espera
o chute que
num relâmpago
a dispara
na direção
do nosso
coração.



Ferreira Gullar

Fantástico























Grande jogo... Gostei francamente do que vi!
Empate que sabe a vitória! E...a sorte faz parte do jogo!
Só tem sorte quem luta por merecê-la!

Adenda:

O que aqui foi escrito relativamente ao Angola-México
é igualmente válido para o Portugal-Irão...
Jogo muito bom e seguro. Não se ficou á espera do sofrimento
habitual dos últimos minutos!
Resta-nos vencer o México e esperar que Angola possa
cilindrar um Irão a caminho de casa!

Vamos a isto!
Portugal e Angola nos oitavos de final!

Lua Nha testemunha




















Cata pensá nhá cretcheu
Ni bô cata imaginá, c'ma longe di bô mi tem sofrido
Perguntá luá na ceu, lua nha companheira... di solidão

Lua
Vagabunda di espaço
Qui contche tudo nha vida
E na desventura
El, qui tá contábu nha cretcheu
Tudo qui tem sofrido
Na ausência e na distância

Mundo...
Bô tên rolado cum mim
Nun jogo di cabra cega
Semp ta perseguirme
Pa, cada volta qui mundo dá,
El tá traze-me un dor
Pra me tchegar mas, pa Deus



B. Léza




Nancy Vieira

Como grilo

























Na gaiola
Cri, cri, cri, cri
O grilo grita
Os campos verdes
O capim macio
O orvalho fresco
A cova quente
O cio
Cri, cri, cri, cri
O grilo chora
A liberdade ida
A clausura activa
A solidão maldosa
O frio destino
Tão vivo
Cri, cri, cri, cri
Na gaiola
O grilo grela
Ódios sem fumo
Coloridas vinganças
Planos túrgidos
Sonhos sem mundo
Tantas raivas
Na prisão perto
Onde embate a dor do grilo
Também eu cri, cri, cri, cri



Luis Rosa Lopes

É Hoje!








































É Hoje!!
Vai ser sofrer... e no fim, ganhe quem ganhar, vou festejar!

Africa

Image Hosted by ImageShack.us







Imagens magnificas de Africa numa apresentação enviada pela amiga Maria Célia Silva do Venusa - Paixões á qual decidi juntar o meu contributo.

Para reflexão

Image Hosted by ImageShack.us

O Pintor, o Pássaro e a Gaiola




























Primeiro pinte uma gaiola com a porta aberta
Depois pinte
algo gracioso,
algo simples,
algo bonito
algo útil
para o pássaro.
Então encoste a tela a uma árvore
num jardim
num bosque
ou numa floresta.
Esconda-se atrás da árvore
sem falar
sem se mover...
Às vezes o pássaro aparece logo
mas ele pode demorar muitos anos
antes de se decidir.
Não desanime.
Espere.
Espere durante anos se necessário.
A rapidez ou a lentidão do pássaro
não influi no bom resultado do quadro.
Quando o pássaro aparecer
se ele aparecer
observe no mais profundo silêncio
até o pássaro entrar na gaiola.
E quando ele entrar
delicadamente feche a porta com o pincel.
Então
apague uma a uma todas as grades
tomando cuidado para não tocar
na plumagem do pássaro.
Em seguida pinte a árvore
escolhendo o mais bonito dos seus galhos
para o pássaro.
Pinte também a folhagem verde
e o frescor do vento
o dourado do sol
e a algazarra das criaturas na relva
sob o calor do verão.
E então espere até que o pássaro decida cantar.
Se o pássaro não cantar
é um mau sinal,
um sinal de que a pintura está ruim.
Mas se ele cantar é um bom sinal,
um sinal de que você pode assinar.
Então, com muita delicadeza,
você arranca uma das penas do pássaro
e escreve o seu nome num canto do quadro



Jacques Prévert

Mbanza Congo


























Mbanza Congo, 2000
Obra de Dília Fraguito, aqui

Raul Indipwo

























(1933-2006)


Reflexão
























E se fosse apenas
a dor matemática do chicote
sorria
e olhava-te nos olhos
e cuspia-te na cara
só!

E se fosse apenas
a dor física da inércia das lágrimas
bem, ai talvez fingisse
chorar a mulher amada
e cuspia-te somente à cara!

Mas de que nos adianta agora
discutir a matemática e a física?



Helder Muteia

Serão de menino

Image Hosted by ImageShack.us









Na noite morna, escura de breu,
enquanto na vasta sanzala do céu,
de volta das estrelas, quais fogareus,
os anjos escutam parábolas de santos...

na noite de breu,
ao quente da voz
de suas avós,
meninos se encantam
de contos bantus...


"Era uma vez uma corça
dona de cabra sem macho...
......................................
...Matreiro, o cágado lento
tuc...tuc...foi entrando
para o conselho animal...

("Não tarde que ele chegou!")
Abriu a boca e falou -
deu a sentença final:
"-Não tenham medo da força!
Se o leão o alheio retém
-luta ao Mal! Vitória ao Bem!
tire-se ao leão - dê-se à corça."


Mas quando lá fora
o vento irado nas frestas chora
e ramos xuxualha de altas mulembas
e portas bambas batem em massembas
os meninos se apertam de olhos abertos:


- Eué


- É cazumbi...


E a gente grande -
bem perto dali
feijão descascando para o quitende -
a gente grande com gosto ri...

Com gosto ri, porque ela diz
que o cazumbi males só faz
a quem não tem amor, aos mais
seres busca, em negra noite,
essa outra voz de cazumbi
essa outra voz - Felicidade...





Viriato da Cruz

Wise words





















Teach your children Love
Teach them the meaning
Take the time out to talk
Listen with open mind
See them with you eyes opened wide

Give your children Love
Hold them close when they cry
Let them show you what they know
Walk with them on the right path
Lead them to a world of wonder

Thank the Creator everyday for sending them
They are his gifts to us all
Treasure them as you would finest jewels
Show them all the trust you can share
In turn they will give you all the care
What you give to them will be returned




Noksi Tsula aka TSULANOKSI