Globalizado excluído















A
Carta
de
alforria
que
floriu
no templo
das proclamações
decretos
e
convênios
libertadores
murchou
desandou
como
a
flor
sahel

amnésica
ficou
sem
os
pergaminhos

globalizada

nos
grilhões
dos
novos
navios
negreiros
ressurge
sob formas
manhetas
manietada pelas
fronteiras farpadas
impostas por patriarcas ilusionistas
batutadores da escrita família
do comércio proteccionista de exclu$ão &
companhia Lda.



Tony Tcheca
in "Guiné sabura que dói" (2008)
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: 
2 Responses
  1. momo Says:

    hoy es mi dia de suerte , porque me encuentro con esas cosas , que seguramente podrian ser mias .
    un abrazo


  2. KimdaMagna Says:

    pena que sejam ainda tão poucos os que reparam nesta monstruosidade da globalização que tem só uma maneira de ver a vida: dominar pela via do consumo criando depêndencias.
    Pois é "A razão Pura" dos dominantes.

    xaxuaxo