A rosa imaginária...














É preciso que fique escrito
antes que a tua baba peçonhenta
nos corrompa a palavra
de ti, só se ouvirá no fim da noite
o ranger de dentes
que teu ódio acalenta
inútil e partido!

Sabes Velho Histérico
o que é Ter 29 anos, e sol
e vida?!

Acordar todas as manhãs
com a rosa imaginária
que não dou ao meu amor??

Sabes Velho Histérico
o que é Ter 29 anos, e sol
e vida?
nessa catacumba
de esqueletos onde moras?!

Sabes Velho Histérico
onde está o ventre de mundo
que seria um dia, o meu?!
Aonde está a criança
que não nasceu
nesse ventre de mundo
que seria, um dia, o meu??

Berra Velho Histérico
ainda
a tua ordem
enquanto não chega o vento!

Berra Velho Histérico
na rádio e no jornal
ainda
a tua ordem
enquanto montado no vento
não chega o fim da noite!

... e a rosa imaginária
que vou dar ao meu amor...



António Cardoso
(1933-2006)
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: 
1 Response
  1. Carocha Says:

    caro(a) Cacusso,


    Há varios dias que tento deixar um comment no seu blog que visito sempre, no entanto nunca consegui aceder à funcionalidade em questão...

    Antes de mais gostaria de, embora atrasada, desejar as melhoras a todos os problemas de saúde.

    Depois de lhe dar os parabéns, como sempre encontro aqui algo que me lava a alma, que mostra coisas que não conheço...

    este poema então é genial,

    Muitos parabéns, as melhoras, um mar bom de navegar...