Eu tenho os dias claros
















"Solidão ao pôr-do-sol", foto de Miguel Teotónio, aqui





Eu tenho os dias claros
de sucessivas luas de Setembro
e a noite que me impõe sinalizar
as direcções cruzadas das mensagens verticais.

Eu estou parado no meio do terreiro
pastado dos meus passos e da minha gente,
ando a ganhar noções de translação
e a medir, pra meu governo, a cor do sol.

Eu entardeço, sobretudo, pouco atento ao vento
que não devo perturbar na sua rota alheia.
Permito, quando muito, que me sinta o cheiro
e deixo-o desfazer, furtivamente, molhos já secos de memória fêmea.

Eu finjo que não sei de elásticas tensões da claridade
e a cada passo meu faço estalar
membranas frias que a tarde debruou em rente azul.

Entendes, companheiro,
eu estou aqui sentado e nu
a procurar não ir além da bárbara carícia
de um olhar sem tacto

e que nem uma lágrima machuque
a capa muito fina da lembrança
que tenho para dar-te.



Ruy Duarte de Carvalho
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: 
1 Response
  1. Sill Scaroni Says:

    Olá Cacusso !
    Adorei esta poesia.
    O teu blog está muito bonito e leva à reflexão.
    Obrigada por compartilhar.
    Sill