Os bilros

















Sobre a almofada, nos bilros,
curtidas mãos exercitam
líquida paciência.
Os bilros têm sons de infância.
As mãos avultam, tranqüilas,
no alegre bater dos bilros.
Mãos e bilros, mãos e bilros
de um fundo a outro do abismo
tecendo a renda do tempo.



Anderson Braga Horta
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: