Quando?





















Imagem da Página Pessoal de Carlos Pires



Quando passearemos de mãos enlaçadas sob as árvores?
E parados face a face
com o abraço subindo, lento e envolvente,
da cintura ao peito e aos ombros...
Quero sentir-te estremecer da terna expectativa,
bem junto a mim, do desejar não querendo,
vendo nos teus olhos o contrário do que a tua boca fala.
Pois te digo: gosto por demais de ti para me render
ao trágico significado da verdade do que dizes.
Repete, repete à exaustão a recusa suprema.
Não adianta , meu amor!
Até à morte, serão somente palavras que não desfazem a ilusão.
Só após ela se tornarão numa realidade que então não terá mais importância.




Maria Branco
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: