A utopia dos olhos escancarados





















Utopia, de Tero Tanninen





Se num momento de loucura
acaso arriscares acima do tédio
e afoito sozinho dobrares
a agreste solidão da esquina dos dias,
poderás então entrever
por entre as brumas do tempo
a imensa multidão e o verde prazer
das tuas mais urgentes utopias.

Se depois com ardor escreveres
- ridícula como o poeta a dizia -
uma simples carta de amor
cuja verdade ofereça fogosa o seu pudor
sinceros significados tão prementes
que a ouro fiquem bordados
no seio nu das palavras inexistentes,
imune farás tombar do muro os pecados
com que este presente impune
procura sarcástico esconder-nos o futuro.

Se porem impossível te for
a sangria das palavras a sério
e ao cansaço sem outra saída
com fúria não conseguires opor
a beleza dum punho bem apertado,
arrepia caminho e não ouses.
Nunca ouses monstro malfadado
dobrar a esquina deste tempo
de cobardias prenhe e silêncios cheio.

Porque só o amor mata a hipocrisia
e reconhece os homens iguais
porque para além deste dia
só de olhos escancarados se sonha a utopia.



Adriano Alcântara
Cadernos "Diálogo"
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: 
2 Responses
  1. Amigo,
    Voltei hoje a blogosfera, depois de quase 3 meses de desncanso.
    E volto hoje com festa... Gostaria de poder contar com sua presença nesta data duplamente feliz para mim...
    Beijos, flores e muitos sorrisos!


  2. Cacusso Says:

    Já entrei na festa!
    Parabens, Rafael.
    Parabéns aos dois.
    Ainda bem que voltaste...a tua voz faz muita falta na blogosfera.

    Beijo

    Nota a todos os amigos - Infelizmente não tenho podido renovar o "stck de produtos" da Kitanda dado que a inefável Netcabo há 3 dias que não me fornece acesso.

    Abraço a todos e bom fim de semana.