Primeiro poema


















Senti entre o sono e a certeza uma ave desenxabida de cores
Lutando dentro de mim,
Esgrimindo com Deus e o Diabo…
Tentando esgueirar-se por algum orifício do ar que só ela sabia existir.

Estou com Deus dizia, estou com o Diabo sabia…

Não.
Estou com Deus menino
Neste largo desfiladeiro em que me encontro liso e escorregadio.
Escorregadio, tão desumanamente perdido no pólo Norte ou Sul,
Bêbedo do álcool que não mais importava,
Simplesmente sem que o vento soprasse,
Sentia essa ave lutando dentro de mim esquivando-se da vida…

Queria voar,
Mas tão longe estava o chão que de certeza me magoaria…
Queria gritar,
Mas a afonia ensurdecia os miseráveis e os distraídos,
Queria chorar,
Mas a gota húmida do choro, a lágrima,
Caía em desalinho no solo,
Nas calças em xadrez de Accra,
Nas escadas que levavam ao inferno delicioso
Que todos tentam esquecer (ignorar)
E assim, as gotas húmidas das lágrimas;
Caíam no remoto e imenso calcanhar
Que um dia a ave possuíra…

Queria pentear os cabelos…

Ah! Que engraçado…
Onde teriam eles os cabelos bonitos e os cachos ido parar?
Sabia a ave desenxabida de cores que nunca mais sentiria os cabelos…
Os anos passaram,

Os séculos despertaram
E finalmente chegaram os milénios
E a ave nunca mais sentiu os cabelos.

Sentiu sim,
As mãos.
Essas mãos lindas de Deus e desejadas pelo Diabo
Que em vida tão amargamente nos queimam beatas de cigarro nos
lábios.
Sentia tão perto de si a ave,
As mãos que puxando,
Puxando…
Iam torturando aquilo que outrora
Tinha sido a ave graciosa em cores e sabores…

Queria amar,
Mas não podia porque tristeza…
Diziam os reflexos de mim ao espelho que já tinha amado.
MEN-TI-RA..
Tinha sim a ave limitando-se à fêmea
Como o macho ao íman, nada mais, nada mais…

E lindos são eles os que ficaram
As duas estrelas cadentes
No céu que Deus e o Diabo
Lembraram-se de me presentear
No dia em que acordei com a certeza
Que tinha sido o sono e vi que não morri.



Ana Maria Branco
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: 
2 Responses
  1. Este comentário foi removido pelo autor.

  2. ÁFRICA é uma SAUDADE que fica «AD AETERNUM».

    Abraço afro-luso