Quem poderá domar























Quem poderá domar os cavalos do vento
quem poderá domar este tropel
do pensamento
à flor da pele?

Quem poderá calar a voz do sino triste
que diz por dentro do que não se diz
a fúria em riste
do meu país?

Quem poderá proibir estas letras de chuva
que gota a gota escrevem nas vidraças
pátria viúva
a dor que passa?

Quem poderá prender os dedos farpas
que dentro da canção fazem das brisas
as armas harpas
que são precisas?


Manuel Alegre





Adriano deixou-nos há 25 anos. A sua voz perdurará sempre na nossa memória.
Aqui é apresentada uma versão desta magnífica balada.
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: