Fonema d'orvalhos


















Dou aos meus versos a sonolência dos teus gemidos
porque não encontrei outra mulher que me aguardasse
com o pote d’orvalhos viçosos:
manhãs de água se levantam no ímpeto
nutres as peles de meus tambores na humanidade
para não mais esquecer as vogais despertas da erosão
desde o primeiro calvário ao hímen nucleado
que estendias nos meus braços de fome.



João Tala
Etiquetas: , , | edit post
Reacções: